terça-feira, 27 de março de 2012

Aula 6-Capítulo 5-O papel do comércio mundial.


- A globalização e o comércio mundial.
A expressão globalização surgiu na década de 1980 e se refere ao processo da intensificação de trocas de mercadorias, serviços, capitais etc. ao redor do mundo, porém sociólogos afirmam que o processo é mais antigo. Ele começa no período das grandes navegações e vai se intensificando cada vez mais até a globalização total que temos nos dias de hoje, onde, praticamente, todas as regiões do mundo estão interligadas através dos meios de comunicação, de transporte e dos fluxos de mercadorias e de pessoas.
Quanto aos fluxos de serviços existem dois tipos, os fluxos materiais e os imateriais. O primeiro se trata da troca de produtos, mercadorias, capitais ou pessoas. Já o segundo se trata do fluxo de serviços como os de seguro de automóveis, as redes de informação e de comunicação.

Charge mostra as desigualdades trazidas pelo processo de globalização.
*Multinacionais.
As multinacionais são empresas pertencentes a determinados países, mas que possuem filiais em vários países do globo, essas empresas são a principal característica da Terceira Revolução Industrial, elas evoluíram de acordo com o avanço tecnológico ocorrido no mundo todo, elas também intensificaram a competitividade. Normalmente as multinacionais pertencem aos países desenvolvidos e se instalam em países subdesenvolvidos que oferecem condições especiais como mão-de-obra barata, presença de matérias-primas e políticas que garantem menor custo. Sendo assim a economia desses países dependem praticamente dos países sede.


-Globalização financeira.
A globalização financeira é o processo que a livre circulação de capitais acontece entre os países, ou seja, a barreira alfandegária é praticamente extinta. As aplicações de capitais são feitas de forma imediata, porém se ocorrer alguma crise nos países centrais ela se alastra como um efeito dominó atingindo todos os países.

-Globalização dos serviços.
Os fluxos de serviços parecem abstratos, mas quando analisados vemos grandes números, esses se mostram principalmente em países onde há grande fluxo turístico.

-Comércio internacional.
A OMC (Ordem Mundial do Comércio) é o órgão que regula o comércio mundial e aplica punições e penalidades, ela visa romper as barreiras alfandegárias e diminuir os custos. No entanto as maiores trocas comerciais ainda se concentram nas principais zonas centrais Ásia, Europa e Estados Unidos, mesmo os países subdesenvolvidos serem maior número de membros da OMC. Isso causa uma diferença econômica muito grande entre os países desenvolvidos e os subdesenvolvidos, gerando protestos no mundo todo.

-Movimentos antiglobalização.
Os movimentos antiglobalização alegam que o processo só beneficia os países ricos e aumenta ainda mais a desigualdade entre pobres o ricos. Um aspecto que mostra a desigualdade da globalização é o cultural, pois grande parte da cultura difundida no mundo é dos países desenvolvidos do norte, por exemplo, o tipo de música que a maioria das pessoas ouvem.

Manifestação Antiglobalização na Av. Paulista em 2002
-Globalização ilegal.
O processo de globalização também ajudou o aumento das atividades ilegais, a facilidade de comunicação proporcionada pelo avanço da tecnologia e também a evolução dos transportes facilita o processo que envolve o tráfico de drogas, de armas ou qualquer outra atividade ilícita.

-Grandes blocos comerciais.
Os grandes blocos econômicos são formados por países que fazem trocas comerciais entre si. Embora pudesse haver uma  mundialização homogênea da economia não é isso que acontece, as riquezas estão cada vez mais concentradas nas mãos dos países desenvolvidos, a criação do neoliberalismo intensificou ainda mais e diminuiu a ação do Estado nas transações internacionais. Os blocos econômicos podem ser classificados em quatro tipos:
-Zona de livre-comérico, há redução ou eliminação de tarifas alfandegárias entre os países-membros.
-União aduaneira, abre o mercado interno para produtos e serviços dos países-membros e define regras para que os países do grupo realizem trocas com países que não estão nele.
-Mercado comum, permite livre circulação de pessoas, mercadorias e serviços entre os países-membros.
-União econômica e monetária, os membros adotam mesma política de desenvolvimento e a mesma moeda.

-União Europeia.
União econômica e monetária que adota como moeda o Euro e engloba grande parte dos países da Europa. A Inglaterra participa do grupo, mas não aderiu ao Euro.

-Asean.
Criada no contexto da Guerra Fria englobava, inicialmente, países asiáticos que aderiram ao comunismo. Tornou-se zona de livre-comércio em 1992, mas as disparidades econômicas dificulta as relações entre os membros.

-Apec.
Formado em 1989 por iniciativa da Austrália e com o apoio dos EUA, o grupo visava não formar um grupo político, mas apenas aproveitar o livre-comércio. Dentre o países-membros temos China, EUA, Japão, Chile entre outros.

-Mercosul.
Criado em 1991 é constituído pela Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. O objetivo do bloco é eliminar as tarifas de mercadorias produzidas por seus membros. Em 1995 foi instalada zona de livre-comércio onde cerca de 90% das mercadorias não possuem tarifas alfandegárias.

-Nafta.
Constituído pelos três países da América do Norte (EUA, Canadá e México), o Nafta é uma zona de livre-comércio, porém as diferenças socioeconômicas entre os países trazem problemas principalmente para o México, como a grande emigração de mexicanos para os EUA, muitas vezes ilegalmente.

-Alca.
A criação desse bloco econômico possuía os mesmos objetivos que os do Nafta, porém, a população dos países latino-americanos, iniciou uma onda de protestos contra a criação do bloco, justamente por saber dos problemas que esse trouxe ao México. A data inicial de seu funcionamento estava prevista para 2005, no entanto não vigorou até presente data (Março/2012).

Manifestantes protestam contra a ALCA.
-Protecionismo agrícola.
Para haver mais competitividade no mercado internacional o Estado subsidia a agricultura, ou seja, proporciona investimentos que aumentam a produção e barateiam os produtos. Os países desenvolvidos são os que mais se beneficiam com os subsídios agrícolas.

-Rodada de Doha.
Reunião ocorrida em Doha, capital do Catar, com o objetivo de diminuir ainda mais a participação do Estado na economia favorecendo ainda mais o livre-comércio, porém não houve muitos progressos, pois o países desenvolvidos não aceitam remover suas barreiras alfandegárias para produtos agrícolas exportados pelos países pobres.

-G-20.
Grupo de 20 países em desenvolvimento que buscam se fortalecer perante os países mais desenvolvidos, a sua força é expressiva, pois concentram 60% da população mundial e representam 30% das exportações agrícolas pelo mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário